Sagrado Feminino e a Integração do masculino




Mulheres que querem, mas não conseguem se relacionar de forma saudável e equilibrada com homens podem estar carregando uma dor que não são delas.


Muitas de nós ainda carregamos a dor do abuso, da humilhação, da violação e exploração de gerações passadas.

Isso pode se manifestar como uma raiva sem sentido pelos homens, um sentimento de vingança, de inferioridade em relação a eles se sentindo vitima ou mesmo de superioridade, acreditando que todos são fracos e incompetentes.


Crenças do tipo:

  • Nenhum homem presta

  • Não preciso de homem para nada

  • Homens são abusadores

  • Não confio em homens


São crenças que podem ter como origem histórias de violência do passado carregadas por várias gerações e que fazem com que a mulher atual se feche para que o masculino penetre de forma saudável em sua vida.


Utilizo a palavra "penetrar" justamente porque pode se manifestar muitas vezes no corpo.

Quando mulheres não conseguem ser penetradas pelo pênis ou sentem muita dor.

Mas também no nível psico-emocional, quando se sentem invadidas verbalmente ou intimidadas apenas com a presença.


Isso resulta em muita tristeza e frustração para todos.


Para homens que não aceitam outras figuras masculinas em suas vidas como pai, avô, irmão. Que odeiam o próprio corpo com pensamentos do tipo: homem fede, homem é sujo.


Mas principalmente para mulheres héteros que querem desfrutar da sua sexualidade sagrada com um parceiro e/ou querem constituir uma família com todo suporte e companheirismo da figura masculina.


Mas em seu mais profundo sentido, causa tristeza porque quando excluímos ou rejeitamos os homens, estamos rejeitando parte de nós, já que estamos rejeitando uma parte da natureza e assim nos sentimos incompletas e em desequilíbrio.


Quando isso ainda está inconsciente, a própria alma se encarrega de criar situações para que esse desequilíbrio seja percebido, nem que seja de forma dramática como abusos sexuais ou violência física.


Pode ser o caso de quem está me lendo agora e se identifica com alguma parte desse artigo.


O trabalho de reconciliação com o masculino é um pedido urgente da alma!


Mulheres que procuram pelo sagrado feminino em muitas rodas e tendas, livros, saberes ancestrais e constelação sistêmica, acabam encontrando no fim das contas o caminho do perdão.


Ao meu ver, esse perdão não consiste em olhar para os homens do passado e simplesmente esquecer o que foi feito.


O perdão se dá quando o que foi ignorado e negligenciado por tantos anos é finalmente visto e acolhido.


Eu estou falando do resgate do nosso feminino, começando com nosso útero, nossa mãe, nossas ancestrais e o mais profundo: a reconexão com a mãe maior, nossa Mãe Terra.


Quando mulheres e homens, sábios, não duvidavam do seu próprio poder.

Conversavam com os espíritos da floresta, usavam o ciclo menstrual como guia, não havia filtros para intuição, misturavam plantas e faziam remédios, eram naturalmente alquimistas, bruxas, feiticeiras.

Quando dominavam os elementos da natureza e sabiam cocriar sua realidade de forma consciente.


Em algum ponto lá atrás nos desconectamos dessa natureza e muitas mulheres principalmente foram subjugadas.


E nos identificamos tanto com essas histórias que a repetimos por gerações.


Porém, vejo o quanto isso está nos mantendo numa prisão.

No fim das contas, por não devolver as dores de volta as nossas ancestrais, carregamos para nossas vidas e condenamos toda e qualquer figura masculina de forma inconsciente.


Nenhum ser pede por isso.

Não é isso que nossas ancestrais pedem de nós.

Elas pedem por liberdade.

E só a liberamos quando escolhemos fazer diferente delas e nos libertamos dessas dores nos abrindo para o novo.


O caminho para o sagrado feminino só é possível quando há integração do masculino em nós.


E você pode começa-lo assim:


+ Resgatando sua força feminina através dos saberes ancestrais tais como xamanismo, ginecologia natural, mitologia, rodas de cura e tendas vermelhas;

+ Trabalhando sua energia sexual e restaurando a sacralidade da sua sexualidade;

+ Se reconectando com a natureza;

+ Resgatando seus poderes alquímicos e ritualísticos;

+ Encerrando padrões ao devolver as dores e traumas de volta para suas ancestrais;

+ Escolhendo conscientemente se tornar livre e feliz;

+ Agradecendo aos homens que te rodeiam;

+ Escolhendo olhar para os homens como partes sagradas de um todo.


Você pode trabalhar tudo isso individualmente comigo através PROJETO INTEIRA.

Um programa feito para mulheres que querem resgatar a si mesmas através da espiritualidade, autoconhecimento, reconexão com o feminino e a sexualidade.


O sentimento de liberdade do perdão só chega quando relembramos nossas raizes.

E eu espero que você o reencontre o mais breve possível!


Deixo aqui uma Meditação Guiada De Volta para o Útero da Mãe Terra

que pode te auxiliar nessa busca.


Com amor,

Juliana.



Olá, eu sou a Juliana.

Uma mulher artista, que usa a fotografia, o filme e a escrita para expressar mensagens do mundo interno e do mundo sútil.

Trabalho também como facilitadora e terapeuta energética sistêmica.


Auxilio casais a encontrarem um lugar de equilíbrio em seus relacionamentos e a mulheres a resgatarem suas essências divinas através do autoamor.

Me coloquei a serviço do despertar da consciência e desde então venho sendo gentilmente conduzida e ensinada a servir como canal de cura a quem busca.

É com amor que minha alma serve a sua.

+ Gostou desse artigo? Recomende a uma amiga

+ Conheça mais do meu trabalho através do Instagram

+ Escute os episódios do podcast Ascenda à Luz




11 visualizações